Alguns motivos para passear com seu cachorro

Artigo escrito por Sheila Niski retirado do site http://www.lordcao.com

Embora procuremos sempre insistir com os donos de cães para levar seus peludos regularmente para um passeio à rua, freqüentemente ouvimos dúvidas e questionamentos sobre a real necessidade destes passeios diários. Algumas vezes temos que argumentar muito para provar que os passeios com o cachorro só resulta em vantagens.

Não é raro a ouvirmos coisas como:

  • Minha casa é grande, ele tem acesso a tudo.
  • Tenho um quintal amplo, ele pode correr e brincar quanto quiser.
  • Ele nunca fica sozinho em casa, sempre tem gente prá ficar com ele.
  • É claro que ele pode fazer xixi em casa, o jornalzinho está sempre pronto.
  • A gente sai de carro e de vez em quando ele vem com a gente.
  • Não gosto que ele saia para não pegar pulgas, além do mais ele fica na minha cama e a rua é muito suja.

Bem, essas e outras frases fazem parte da rotina de muitos donos de cães. É claro que não fazem por mal, mas há muitos motivos importantes para levar seu peludo para passear. Com certeza ele terá uma melhor qualidade de vida em todos os aspectos.

Foi pensando nisso que resolvemos enumerar algumas razões para levar o Totó todos os dias para uma bela caminhada.

[]

Talvez o mais importante de todos os motivos para o peludo ir à rua regularmente seja a possibilidade de socializá-lo com pessoas e animais diferentes, em lugares diferentes. A socialização do cachorro é fundamental para que ele tenha tranqüilidade em qualquer situação. Muda desde a maneira como ele se comporta na rua ou em lugares novos, até a maneira como ele recebe visitas em casa. Quem já passou pela experiência de visitar amigos que tenham um cachorro que não foi devidamente socializado sabe o quão desagradável se torna essa situação.

A falta de socialização costuma ser um grande problema para as pessoas que procuram justificar a não necessidade do cão sair. É muito bom que o cão tenha um quintal grande e se tiver acesso a casa toda, melhor ainda, mas se o único mundo que ele conhece é sua casa, prepare-se para ter um vigia tempo integral. O grande problema desses cães é que o mundo fora de casa torna-se ameaçador, e por isso eles vivem tensos. O cachorro só conhece sua casa e as pessoas que moram com ele, ou seja, ele não vai ser sociável o suficiente para viver em um meio urbano. Cada vez que ele tiver que sair (veterinários, viagens, etc ), vai ser um estorvo para os donos, pois o bichão tende a ficar nervoso e agitado, alguns demonstram medo e desconforto.

Latem, choram, rosnam para outras pessoas e animais, tremem sem parar, avançam em tudo o que chegar perto dele ou do seu dono. Logo o problema se torna um círculo vicioso: O dono não leva o cão para passear, pois tudo se torna difícil e chato; quanto menos o cachorro sai, mais ele se torna difícil e chato na rua… E assim vai até o cão ficar confinado pro resto da vida em seu mundinho pequeno.

Além disso, para quem pensa que tem um quintal grande e o peludo vai correr e brincar o dia todo, más notícias. O cachorro só corre e brinca pelo quintal quando estimulado, ou seja, quando alguém fica com ele jogando bolinha, fazendo companhia e correndo, ou em outras palavras, obriga-o de forma gostosa a fazer exercícios. A falta de caminhadas diárias tendem a tornar o cão hiperativo e destruidor. Muitos cães (em especial os de raças que são usadas para trabalho) têm uma energia quase inesgotável e, se eles não gastarem pelo menos um pouco dessa energia caminhando, podem direcionar essa energia para outras atividades, na maioria das vezes “politicamente incorretas” como, por exemplo, destruir móveis, roer batentes, portas, mesas e cadeiras ou simplesmente correr alucinadamente pela casa correndo o risco de, além de derrubar tudo, se machucar.

Para quem deixa o cão sozinho, ou trabalha o dia todo fora (mesmo que outra pessoa fique em casa), está perdendo uma ótima oportunidade de reforçar ainda mais o vínculo de amizade e confiança entre dono e peludão ao deixar de lado os passeios. Caminhadas estimulam o instinto natural dos cães de união e cooperação entre membros de sua matilha. É como você estivesse dizendo para o seu peludo:

“ Ei amigão, vamos passear e procurar novas aventuras e desafios juntos? Vamos caçar uns bichinhos por aí? E que tal conhecer umas garotas (ou rapazes) e conquistar o mundo, hein?”.

Quando o cão é treinado para andar junto e aprendeu a respeitar a sua liderança então…Nada pode ser mais recompensador do que acompanhar o grande “ídolo”, o grande “mestre”, o dono seguro e hábil, que o leva como grande companheiro para desbravar o mundo (não é maravilhoso quando reconhecemos tudo isso num simples olhar do nosso cão?)

Mas, voltando a vaca fria… Machos gostam de marcar território (levantar a perninha e deixar pequenos xixis por tudo o quanto é lugar), e saídas são perfeitas para evitar que eles desenvolvam este hábito dentro da sua casa. As fêmeas, embora não costumem marcar, também gostam de passear na rua para saber das “fofocas” locais e para ir tendo uma idéia dos futuros pretendentes que moram nas redondezas. É que a rua é um paraíso de cheiros, incluindo-se aí os cheiros de xixi e cocô de outros cães, que servem como uma forma de comunicação entre os caninos. São como cartões de visitas, onde os peludos deixam informações sobre o seu sexo, se as fêmeas estão disponíveis para casar (se estão no cio), se tem tido comida abundante na área, quem tem a perna mais alta J , e por aí vai.

Para os que acham que uma volta no carrão basta, saibam que sair de carro é legal, mas não promove o encontro entre o cão e outras pessoas e bichos (novamente o problema da socialização). É legal ver como cães que se encontram sempre no passeio pelo quarteirão, costumam demonstrar sinais claros de reconhecimento do velho amigo, ou inimigo. Quem costuma levar sempre o seu cão para umas voltinhas já deve ter notado que o cachorro começa a ter “amigos” na rua, com certas preferências inclusive. Por que privar seu melhor amigo de aproveitar o máximo da vida, e por que não cuidar da saúde mental dele, deixando que o bichão desfrute da companhia de seus iguais?

Já faz muito tempo que pulgas, vermes, e carrapatos podem ser facilmente evitados e combatidos com produtos especiais, seguros, e não tão caros assim. Existem uns que são aplicados mensalmente, outros de três em três meses. Existem ainda coleiras que são substituídas a cada 6 ou 7 meses. Converse com o seu veterinário para descobrir entre as várias opções no mercado, qual a melhor para você e o seu peludo. Os benefícios dos passeios, tanto físicos quanto mentais, para o seu cachorro superam longe os custos dos remédios contra parasitas. Quanto às patinhas sujas na cama, nada que uma toalha úmida não possa resolver.

A verdade é que quando você decide compartilhar a sua vida com um cachorro, adquire junto uma lista de responsabilidades e uma nova rotina. Alimentação, carinho, cuidados, banhos, visitas ao veterinário, entre outras coisas. Incluam nessa rotina seus passeios diários. O cachorro é resistente a variações climáticas, então nada de se acomodar porque tá muito frio ou ficar com preguiça porque tá calor. Com certeza seu peludo vai curtir e agradecer com muito carinho.

Bem, mas não é só sair por aí, andando que nem um louco, a lá “Forrest Gump” e carregar o peludo a tiracolo. Embora todos os cães, independente de raça, precisem de uma dose diária de exercícios para manter a forma e a saúde, a quantidade desses exercícios varia de acordo com raça, idade, tamanho, e saúde atual do peludo. Algumas dicas farão dessa atividade algo realmente mais prazeroso para ambos.

Assim como os humanos, os cães também precisam de um condicionamento gradual para o fortalecimento dos músculos e coração. Antes de começar com um programa de caminhadas fortes, leve seu cão ao veterinário, peça um check-up e avise que você pretende começar com esse programa. Raças de grande porte, e os gordinhos em especial, precisam de cuidados extras para não sobrecarregar as articulações.

Cuidado com excessos se o seu peludo ainda for filhote. Lembre-se que ele ainda está se formando fisicamente e como todo bom filhote pode ignorar os sinais de exaustão.

Cheque com o seu veterinário se a raça do seu cão é geneticamente propensa a apresentar problemas respiratórios (cães com focinho muito curto, por exemplo), problemas cardíacos, ou se são propensos a apresentar displasia coxo-femoral.

Caso o seu cão tenha comido muito, evite exercitá-lo demais logo após essa refeição.

Se for passear em um parque, com sol e o passeio for demorado, uma garrafinha de água prá cada um de vocês será muito bem-vinda.

Lembre-se que nós caminhamos calçados. O cão tem as almofadinhas sensíveis sob as patas. Fique de olho quando em certos horários o chão estiver mais quente. Nesses casos nada melhor que uma bela caminhada pela sombra.

Bem, agora um assunto que gera muitas discussões, a coleira. Evite sair com seu cachorro solto. Eu sei que é realmente gostoso andar com o cão ao nosso lado sem guia, dá uma sensação de poder, amor incondicional, parceria e reciprocidade. Mas tenhamos sempre em mente que o cão, assim como todos os outros animais, é imprevisível.

Qualquer coisa que chamar a atenção dele pode fazê-lo sair em disparada, principalmente se a “coisa” em questão for uma sedutora cadelinha no cio e seu animal for um conquistador. Pode aparecer um pequeno animal que lhe chame a atenção e, nessa hora, o instinto de caça fica mais aguçado. Pode um cachorro bravo estar passeando na guia e o seu vai dar um “oi, amigo” e sair machucado.

Tudo isso sem contar a quantidade de cachorros atropelados que vemos por aí. Se a sua reclamação é que o cachorro puxa muito e você se cansa demais, nada como um bom treinamento para fazê-lo andar ao seu lado. Procure conhecer a coleira Gentle Leader, que não deixa o cachorro puxar, não enforca o animal e ao mesmo tempo age mostrando que você é o líder da matilha, sem acabar com nossos braços. Alguns veterinários brasileiros já a conhecem e indicam seu uso. Uma coisa eu posso garantir: Nunca soubemos de um caso de cachorro atropelado, enquanto andava solto com seu dono, que não fosse um cachorro educado, obediente, e que nunca tinha atravessado a rua sozinho antes. Até por isso ele estava sem guia!

Na verdade, conforme você for fazendo dos passeios uma rotina, você mesmo vai perceber as necessidades de vocês dois. Inclusive se for sempre aos mesmos lugares, terá muita troca de experiência com outros donos que também freqüentam esses mesmos lugares. Depois você vai perceber que o cachorro é um excelente relações públicas nos passeios, isso já deu até casamento…

Bem, se você se animou e resolveu virar um atleta junto com seu cão, não se esqueça: Leve-o ao veterinário e certifique-se que ele não tem nenhum problema de saúde, junte os acessórios, coloque o seu tênis mais confortável, uma roupinha leve, abra um sorriso e comece a se divertir. Afinal, ninguém pode mais negar os benefícios de uma boa caminhada diária para os quadrúpedes, quanto mais para os bípedes!

BOM PASSEIO !!!!!!!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s